terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Luzes e viver.




Três luzes ofuscantes.
Três regentes.
Três sentimentos.
Tudo calmaria.
Sonhos reais.
Vida que passa doce ao som da brisa em nossa alma.
Vida, vida minha.
Em seus cantos de viver.
Me surpreende.
Na fé me conduz.
Nos braços de Deus me deixo levar.
Aprendi a observar a roda da vida.
Ser calmaria onde existir tornados.
De súbito ser furacão e brisa.
No controle.
Observando as curvas do viver.
Mágoas curadas.
Tristezas vencidas.
Perdas se tornaram saudades.
No sorriso bobo levo a sabedoria de ser criança.
Reclamar não é preciso.
Apenas queira mudar.
Não julgo.
Não tenho verdades, cada um inventa a sua.
Tenho apenas sentimentos.
Livres de doutrina.
Liberto estou das amarras do mal saber.
Sei o que meu coração diz.
Deus fala no coração.
As emoções cavalos selvagens.
Não as domei.
Mas são dóceis.
Sou filho da tempestade.
Filho do mundo.
Filho de Deus.
Querendo o alento de ser feliz.
Assim serei quando todos entenderem oque é viver.
Amar, puramente amar.
Fluir bons sentimentos.
Exalar amor.
Aí sim o mundo será jardim.
Será Éden.
Será paz.
Será divino.
Falta muito.
Mas sou paciente.
Essa virtude treino diariamente.
Grato estou.
Pelo que sou.

Micael A. Andrade