terça-feira, 12 de maio de 2015

Sentido da vida.



Qual o sentido da vida?
Sempre em frente!
Caminhe, corra, rasteje, role, mas não pare!
Vença os obstáculos.
Colha as flores no caminho.
Limpe as feridas das frias pedras a ti jogadas.
Guarde-as.
As pedras servirão de alicerce
para seu castelo de sonhos.
Sigo sua jornada.
Do seu jeito.
No seu ritmo.
Afinal a vida é sua.
E só você pode vive-la.
Se errar, pare e reflita.
Não se culpe, aprenda.
Se cansar sente e contemple o horizonte.
Apenas grandes pessoas conseguem olhar para cima.
A luz vem das alturas!
Seu caminho pode estar repleto de espinhos.
Levite.
A alma é leve.
Pessoas são placas ao longo da caminhada.
Alguns são Pare, pois bem
não pare.
Alguns são sentidos obrigatórios
Nada é obrigatório.
Obrigado.
Se for obrigado não foi real.
A liberdade é uma ingrata.
Torna-te feliz, mas responsável a cada passo dado.
Passo firme, passo largo, passo curto, passo cambaleante.
Liberdade é pra poucos.
Viva a sua jornada.
Viva sua vida.
No final tu levas o que aprendeu.
O que guardou de tesouros do mundo nada lhe servirá!








Espinhos



As cortinas da escuridão se ergueram, os passos pesados dos derrotados a me perseguir!
Os espinhos da ignorância me rasgando a pele.
A frieza da inveja e a vontade de apagar essa luz cresceram como um tsunami.
Desejaram minha derrota, desejaram meus joelhos dobrados.
As sombras da estupidez e hipocrisia cruzaram meu caminho.
Mas...
Por mais que devorem minha carne!
Por mais que me queiram curvado.
Não.
Sempre existirá um último suspiro.
Uma brisa soprará meu rosto.
Tornar-se-á tempestade.
Varrerá para o vale da escuridão os inimigos.
O guerreiro nunca morre.
Não cede.
Quando riem como hienas, serão abatidos.
Como presas fáceis.
Presos as suas ignorâncias assombrosas.
Erga-se o vitorioso.
Contemplai a luz.
Essa luz que atrai os insetos.
A alma é imortal.
Tudo passará
menos o viver.
Que do céu profundo surjam com suas arpas
anjos
com suas asas reluzentes.
Soprando luz divina pra quem se afoga em ódio.
O mundo está nas trevas.
Mas sempre haverá pontos de luz para
nosso refugio!
Que vença o justo.

Micael






domingo, 10 de maio de 2015

Feliz?


Ser feliz, estar bem, agradecer, sonhar!
Sentimentos bons e difíceis de manter-los.
Somos obrigados a dizer ou demonstrar esses sentimentos?
Será que expomos realmente aquilo que sentimos?
Ou mostramos ao mundo aquilo que ele espera de nós?
Será tudo uma mentira que precisamos pra viver?
Ser realmente feliz é o que?
É ter?
É ganhar?
A felicidade independe da situação externa, será tão simples assim?
Ser completamente feliz diante das mazelas do mundo e das normas impostas pela sociedade é possível?
Ser capaz de tamanho egoísmo e não enxergar o sofrimento alheio?
Vivemos competindo, nos acotovelando por um espaço, sendo que existe suficiente pra todos.
Qual o sentido de viver?
Lutar, brigar, conquistar espaço, manter-se em constante luta e no fim morrer, e o que foi feito de bom e prazeroso?
Talvez os vícios das pessoas sejam crônicos problemas sociais porque a vida não é tão rosa quanto deveria ser!
AS rosas!
Mas quem fica com as pétalas e quem contempla seus lindos botões? Mas apenas lhe sobram os espinhos em suas mãos.
O que é justo?
O que é certo?
Aceitar tudo calado e viver como um espantalho sorridente e fingir não enxergar os sentimentos impuros e carregados de ignorância?
Ou viver atento aos movimentos reais das pessoas e remar contra a hipocrisia?
A realidade pode ser tão dura que a ilusão é um Oasis em meio ao deserto das multidões?
Cada ser cria seu mundo, cria suas regras, acredita no que lhe convém, cria expectativas apenas para achar que está vivendo! E quando o que se espera alcançar é realidade e não existe mais ambição, mas é possível viver sem ambicionar algo?
O que é ambição?
Querer bens? Status? Ter algo que quase ninguém tem? Isso é egoísmo? Sim!
Porque queremos ser sempre mais ou ter mais do que o próximo, sendo que na verdade teríamos que caminhar no mesmo ritmo, desejar a felicidade mútua, mas por egoísmo e sermos egocêntricos queremos colocar a cabeça acima de todo rebanho!
Na verdade pensamos e tentamos ser diferentes, mas somos todos iguais, querendo ser desiguais, tudo é vaidade, irônico que até no ser bom existe a vaidade, aquele que doa o que sobra e grita aos quatros ventos!
Porque não dar aquilo falta, aquilo que não é farto?
Porque tanto?
A busca pelo poder, a busca da vaidade e do domínio ao próximo!
Enquanto a sociedade ensinar que é preciso competir sempre existirá sofrimento e dor! Na competição sempre existe um perdedor, mas quando compartilhamos todos ganham, todos sorriem!
Até quando viveremos em nossas pequenas ilhas de arrogância e cheias de certezas vazias de vida?
Quando você agradece pelo que tem em algum momento pensa naquele que não contemplou a mesma sorte? Egoísmo?
O mundo é reflexo de nossas almas e não é com rezas, orações, ladainhas, hinos, gritaria ou qualquer outro meio de comunicação com o divino iremos mudar essa realidade, mas  com ações de caridade verdadeira, de poder se importar com o sentimento do próximo.
Gritam e falam o nome de Deus freneticamente, tão automático que usam em vão o seu nome, talvez desespero para encher de fumaça seus verdadeiros sentimentos e esconder  o que lhes incomoda a alma! E ainda terem a covardia e arrogância de julgarem seus irmãos!

 Micael