quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Noite fria.


Noite fria cai sobre meus ombros cansados!


Na labuta de um dia intenso,

Não vejo o dia passar.

Solidão é companheira fria e sem graça.

A quem olhar ou amar?

Seus olhos a me procurar onde estão?

Suas mãos de jasmim a me tocar.

Esperança ainda faz morada no meu peito!

Aonde mais poderias morar amor assim?

Nosso quarto é meu martírio,algoz de tantas noites!

A sombra da sua presença ainda me domina e seus murmúrios,

latejam em minha mente!

O que te levou não sei,insólita vida!

Onde estás agora?

Era agora o fim?

Tenho você tão perto,mas não posso ficar!

Noites frias um dia se tornaram dias quentes.

Na aurora de nossas vidas nos encontraremos e tudo será cândida emoção!

Penso que me levaram de ti.

E descubro que sim!

Sofro calado e compreensivo!

Sua alma chora baixinho como uma cantiga de ninar.

Não chores,a eternidade nos espera no amanhecer da vida!



Micael Araújo Andrade


5 comentários:

Jeff. Bertholini disse...

bem poético esse texto, heim, irmão!

Jamile Fernanda disse...

Parabéns pelo Blog...
Adorei o seu poema você escreve com a alma.

Flor Tulipa disse...

Que poema mas lindo!continue assim sucesso
amei o blog
beijokas tulipais
http://tamytulipa.blogspot.com/

joão victor borges disse...

O amanhecer pode ser o martírio ou o prazer de muita gente.

Abraço! ;)

http://anpulheta.blogspot.com

Uriel disse...

muito bonito, cara..
tu escreve bem
http://moodloud.blogspot.com/ ;D