quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Passos.




Entre caminhos desconhecidos passei.
Entre vidas passei.
Entre emoções naveguei.
Pelas ruas estreitas do viver.
A tarde fria insólita!
Caminhando estou a procura de não sei o que.
Não sei o que procurar.
Não sei o que fazer.
Os dias escorrem entre meus dedos.
O tempo é companheiro da vida.
Passa o tempo, passa a vida.
Sem entender vivo.
Quem entende?
Somos tudo e ao mesmo tempo somos nada.
Tudo pode findar em instantes.
Somos o que vivemos.
Somos o que fizemos.
Somos vida vivida.
O tempo não importa.
Importa os feitos.
E os desfeitos.
Caminho lentamente pensando em nada.
Navego minha mente, minha alma.
E vejo tudo diferente a cada dia.
Ê mundão que gira e transforma,
é meu companheiro.


Micael A. Andrade

3 comentários:

Rock in Culture disse...

Muito épico esse texto epressa muito bem seus sentimento e pesadelos e sua busca pela tudo passando pelas vidas e acontecimentos

Fernanda disse...

Micael, procure evitar a estrutura de prosa ao escrever um poema; busque mais o ritmo, experimente versos mais curtos, frases nominais. Evite versos explicadinhos. Creio que ficaria ainda melhor. Conforme já disseram: poesia é cortar palavras. Beijos e sucesso no blog!

Rock in Culture disse...

Como ja falei muito épico este texto vc faz um grande e bela reflexição de seus passos